Presidente do TRT-15 participa de debate na Fiesp sobre as mudanças nas relações de trabalho

A presidente do Tribunal Regional do Trabalho da 15ª Região, desembargadora Gisela Rodrigues Magalhães de Araujo e Moraes, participou na manhã desta terça-feira, 3/3, na Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), da reunião do Conselho Superior de Relações do Trabalho e que teve na pauta, como tema de discussão, “as metamorfoses do trabalho e a 4ª revolução industrial”.

O evento reuniu diversas autoridades do meio jurídico e empresarial, como a presidente do Tribunal Superior do Trabalho, ministra Maria Cristina Peduzzi, o ex-ministro do Trabalho e presidente do TST no biênio 2000-2002, Almir Pazzianotto, o ministro aposentado do TST e conselheiro da Fiesp, Indalécio Gomes Neto, o ex-presidente da Federação e do Centro das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp/Ciesp), Carlos Eduardo Moreira Ferreira, e a presidente do Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região (TRT-SP), desembargadora Rilma Aparecida Hemetério. Também estiveram presentes na reunião os desembargadores do TRT-15 José Pedro de Camargo Rodrigues de Souza (decano da Corte) e Ana Paula Pellegrina Lockmann (coordenadora do Núcleo Permanente de Métodos Consensuais de Solução de Disputas – Nupemec).

Esta interação entre o TRT da 15ª Região com entidades ligadas ao Comércio e Indústria do Estado de São Paulo abre perspectivas de melhores entendimentos perante a Reforma Trabalhista, bem como amplia as discussões em diversos temas que as vezes os magistrados acabam não tendo conhecimento da prática laboral no dia a dia.

Sabemos que muitos Juízes de 1ª Instância não aplicam, por entendimento pessoal, a Reforma Trabalhista através da Lei 13.467/2017, o que acaba por aumentar o volume de Recursos no Tribunal Regional.

Esta interação entre o TRT da 15ª Região com entidades ligadas ao Comércio e Indústria do Estado de São Paulo abre perspectivas de melhores entendimentos perante a Reforma Trabalhista, bem como amplia as discussões em diversos temas que as vezes os magistrados acabam não tendo conhecimento da prática laboral no dia a dia.

Sabemos que muitos Juízes de 1ª Instância não aplicam, por entendimento pessoal, a Reforma Trabalhista através da Lei 13.467/2017, o que acaba por aumentar o volume de Recursos no Tribunal Regional.

Fonte: TRT 15ª Região

 

Trabalhista-Contencioso

Trabalhista-Consultivo