Impactos na economia com a restrição de créditos de PIS/Cofins

No Brasil não é tarefa fácil criar um ambiente favorável a novos investimentos, atraindo capital e gerando riquezas. Vivemos uma realidade, do ponto de vista tributário, em que a incerteza do dia de amanhã certamente funciona como um freio de alta potência para quem olha de fora nosso dia a dia, principalmente a tríplice aliança: governo, Congresso e Judiciário.

A Medida Provisória 1.227, recentemente editada pelo governo federal, trouxe significativas mudanças na forma como empresas podem utilizar créditos tributários de PIS e Cofins. Essas alterações têm gerado grande descontentamento em diversos setores da economia, especialmente no setor agrícola. Este artigo aborda as principais limitações impostas pela MP 1.227, as reações dos setores econômicos e os possíveis impactos macroeconômicos, incluindo a retirada de capital do Brasil e a desvalorização do real.

Principais limitações impostas pela MP 1.227

Compensação de créditos tributários

Uma das principais mudanças trazidas pela MP 1.227 é a restrição na compensação de créditos de PIS/Cofins. Antes da medida, empresas podiam utilizar esses créditos para compensar débitos relativos a outros tributos administrados pela Receita Federal. No entanto, a nova legislação limita essa compensação, obrigando as empresas a utilizarem os créditos de PIS/Cofins apenas para quitar débitos de PIS/Cofins, reduzindo a flexibilidade financeira das empresas.

Desoneração da folha de pagamento

A MP 1.227 também afeta a compensação de créditos de PIS/Cofins relacionados à desoneração da folha de pagamento. Anteriormente, era permitido que esses créditos fossem utilizados para compensar outros tributos, o que ajudava a aliviar a carga tributária das empresas. Com a nova medida, essa possibilidade foi revogada, o que representa um aumento de custo para as empresas que utilizavam essa compensação como uma forma de gerenciamento tributário.

Revogação de hipóteses de ressarcimento

Outro ponto crucial da MP 1.227 é a revogação de várias hipóteses de ressarcimento de créditos de PIS/Cofins. Isso significa que as empresas agora terão menos oportunidades de obter reembolsos de créditos acumulados, o que pode impactar negativamente o fluxo de caixa de muitas organizações, especialmente aquelas que operam com margens de lucro mais apertadas.

Descontentamento dos setores econômicos

Setor agrícola

O setor agrícola, um dos pilares da economia brasileira, tem manifestado grande descontentamento com a MP 1.227. Produtores rurais frequentemente acumulam créditos de PIS/Cofins devido à exportação de produtos, que são isentas desses tributos. Com as novas limitações, a compensação desses créditos torna-se mais difícil, impactando diretamente a rentabilidade do setor. A Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) e outras entidades do agronegócio têm pressionado o governo para reverter essas mudanças.

Outros setores

Além do setor agrícola, outros setores também expressaram preocupações. A indústria, os serviços e o comércio, que já enfrentam altos custos operacionais, veem a medida como mais um entrave burocrático e financeiro. A Confederação Nacional da Indústria (CNI) e outras entidades empresariais destacam que a medida pode aumentar a carga tributária efetiva das empresas, reduzindo a competitividade e dificultando a recuperação econômica pós-pandemia.

Impacto macroeconômico

Retirada de capital

As restrições impostas pela MP 1.227 podem resultar na retirada de capital do Brasil. Empresas multinacionais, em particular, podem reconsiderar investimentos no país devido à maior complexidade tributária e ao aumento de custos operacionais. Essa saída de capital pode afetar negativamente o mercado de trabalho e a economia como um todo.

Desvalorização do real

A retirada de capital e a redução de investimentos diretos no país tendem a exercer pressão sobre a moeda nacional. Com menos dólares entrando na economia brasileira, a oferta de moeda estrangeira diminui, resultando na desvalorização do real. Essa desvalorização pode agravar a inflação, já que produtos importados se tornam mais caros, afetando o poder de compra da população.

Conclusão

A Medida Provisória 1.227 representa uma significativa mudança na gestão de créditos tributários de PIS e Cofins, com implicações abrangentes para diversos setores econômicos.

O descontentamento do setor agrícola e de outros setores evidencia os desafios impostos pela nova legislação. Além disso, os impactos macroeconômicos, como a potencial retirada de capital e a desvalorização do real, são preocupações adicionais que o governo precisará monitorar de perto. Para mitigar esses efeitos, será crucial um diálogo contínuo entre o governo e o setor produtivo, buscando soluções que equilibrem a necessidade de arrecadação com a manutenção da competitividade e da saúde econômica do país.

O governo e o Congresso precisam urgentemente parar de tomar medidas utilizando o farol baixo, sem enxergar as consequências de seus atos para o futuro próximo da nossa economia. A fome de arrecadação do governo gerando medidas que desestabilizam o dia a dia tributário das empresas traz consigo um aumento cada vez maior da sensação de insegurança para quem quer investir no Brasil, criando um caos tributário para aqueles que produzem, lembrando que onde não há ordem, dificilmente haverá progresso.

Navegue por tópicos​
Compartilhe

Newsletter

Receba conteúdos relevantes e descomplicados por e-mail.

Posts Relacionados

Conhecimento jurídico acessível, pensado para você.