Retomada da economia após Covid exigirá apoio ao setor de serviços, diz Henrique Meirelles.

Ex-ministro defendeu reforma tributária proposta por secretários estaduais da Fazenda.

(Imagem: Reprodução / Google)

O secretário de Fazenda e Planejamento do Estado de São Paulo, Henrique Meirelles, defendeu nesta quinta-feira (8) programas específicos para o setor de serviços e a atração de investidores estrangeiros como estratégias para a retomada econômica do País após a pandemia do novo coronavírus.

“O setor de serviços é o maior empregador da economia”, justificou Meirelles. “A atração de recursos internacionais é fundamental, temos feito isso com sucesso em São Paulo”, continuou o secretário. Como a Covid-19 afetou todos os países, lembrou, há dinheiro parado em fundos, à espera de oportunidades.

Meirelles participou de evento no Centro de Estudos e Debates Estratégicos (Cedes) da Câmara dos Deputados. O encontro foi coordenado pelos deputados Da Vitória (Cidadania-ES) e Francisco Jr. (PSD-GO), relatores de estudo intitulado “Retomada econômica e geração de emprego e renda no pós-pandemia”.

Para Francisco Jr., a discussão desses temas é urgente. “O próximo biênio será um período definidor para o futuro do País”, analisou o deputado. “O mundo e o Brasil não serão os mesmos depois da pandemia e, assim, as soluções não deverão ser as mesmas, precisamos atualizar métodos e práticas”, ressaltou.

Reformas

Francisco Jr. e Meirelles concordaram com a necessidade de reestruturação da economia por meio de reformas. Ambos apoiaram a simplificação do sistema tributário, e Meirelles defendeu a versão dos secretários estaduais da Fazenda, que cria o Imposto sobre Bens e Serviços (IBS) em substituição a ICMS e ISS.

Meirelles disse ainda que o controle das contas públicas continuará importante. Ele foi ministro da Fazenda no governo Temer, quando foi adotada a regra do teto de gastos (Emenda Constitucional 95/16), e presidente do Banco Central na gestão Lula, período marcado por oito anos seguidos de superávit primário.

O debate com Meirelles foi o primeiro evento no âmbito desse novo estudo do Cedes. O objetivo é propor a atualização das leis para definir o papel do Estado, da iniciativa privada e das organizações sociais nas estratégias e nas ações para recuperação da economia e geração de empregos e renda no pós-pandemia.

O evento contou com a presença dos deputados General Peternelli (PSL-SP) e Antonio Brito (PSD-BA), além do secretário da Saúde do Estado de Goiás, Ismael Alexandrino. Houve também a participação de representantes de entidades, de órgãos federais e do público por meio de plataformas digitais e do e-Democracia.

O Cedes é um órgão técnico consultivo da Câmara dos Deputados dedicado a análise, discussão e prospecção de temas de caráter inovador ou com potencial de transformar as realidades econômica, política e social do País. O colegiado é composto por 23 parlamentares e conta com apoio da Consultoria Legislativa.

Fonte: Portal Contábeis via Agência Câmara de Notícias